Jul 30
Notícias de Angola | Últimas Notícias de Angola


Petro empata com Benfica PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sábado, 20 Agosto 2011 04:37

Petro empata com Benfica


Luanda - Benfica e Petro de Luanda empataram a duas bolas na abertura da 22ª jornada do campeonato nacional de futebol da primeira divisão, Girabola, disputada no Estádio dos Coqueirosalt.

 

 

 
Não podemos cometer os mesmos erros diante do Senegal - Michel Gomez PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sábado, 20 Agosto 2011 04:34

Não podemos cometer os mesmos erros diante do Senegal - Michel Gomez

Antananarivo (Dos enviados especiais) – O seleccionador nacional de basquetebol sénior masculinos, Michel Gomez, antevê um jogo muito difícil diante do Senegal, sábado, na segunda jornada do Campeonato Africano (Afrobasket2011), e destaca a capacidade moral do adversário.alt

 

Falando à Angop, na projecção do jogo com senegaleses, o técnico francês explicou que o "cinco" nacional não pode cometer os mesmos erros do desafio anterior, sob pena de ser surpreendido.

 

“O Senegal tem uma equipa impressionante, boa estatura e com uma grande capacidade moral, prova disso foram os 21 pontos que foram buscar frente ao Marrocos. Com uma equipa destas não podemos cometer os mesmos erros”, advertiu, elogiando ainda o jogo interior dos senegaleses.

 

Acrescentou que no jogo inaugural foi importante dar tempo de jogo a todos os jogadores para ganharem confiança e estarem disponíveis física e moralmente para os restantes desafios.

 

Angola e Senegal defrontam-se sábado às 20 horas (18 horas de Angola) no pavilhão do Palácio dos Desportos.

 

 

 
Sintomas de má gestão do passado no Parlamento Angolano PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sábado, 20 Agosto 2011 04:29

Sintomas de má gestão do passado no Parlamento Angolano

Ânimos aquecidos entre a classe política angolana, após o infeliz ambiente que envolveu a aprovação do projecto de resolução do pacote legislativo eleitoral.
Os deputados da maioria parlamentar, o MPLA, chamaram "sulanos" aos seus coelgas da UNITA, quando estes abandonaram o hemicíclo, por alegar inconstitucionalidade na legislação.alt
O assunto está a merecer a reprovação de vários sectores da sociedade civil, repudiando o referido pronunciamento, tendente a dividir os angolanos.
Em Benguela, o Bloco Democrático chamou esta quarta-feira a imprensa para reagir ao que classificou de incitamento ao tribalismo por parte dos deputados do MPLA.
Segundo o seu secretário provincial, Francisco Viena, o seu partido vai propor uma sanção disciplinar contra os deputados do partido no poder
“Não se entende em nenhum momento, numa Angola que se diz Angola una de Cabinda ao Cunene, chamar sulanos. Digo e repito, foram muito infelizes em dizer isso, não se admite” – reagiu, por seu lado, o evangelista João Guerra.
“A UNITA é livre de abandonar o plenário. Não é obrigada a testemunhar um acto de inconstitucionalidade” – acrescentou.
Sintomas de má gestão do passado a revelar também uma má projecção do futuro, como concluem os analistas.
Apostolado

 
A resolução da discórdia PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sábado, 20 Agosto 2011 04:26

A resolução da discórdia

A Assembleia Nacional aprovou uma resolução cujo objectivo foi o de fixar regras, para o vindouro debate sobre as leis que irão reger as eleições de 2012.
Estas regras foram concebidas, como resultado das negociações havidas entre representantes parlamentares das formações políticas no parlamento.
Segundo Virgílio de Fontes Pereira, foram alcançados 90 porcento de entendimento, restando portanto apenas 10 porcentoalt.
Acontece porém que é no remanescente 10 porcento onde se podia achar a chave para um processo eleitoral potencialmente mais transparente.
Através dos princípios consagrados nesta resolução, a Assembleia Nacional, dominada pela maioria parlamentar do partido MPLA que governa Angola desde 1975, fica excluído do debate, uma série de questões, algumas das quais demandantes da própria Constituição.
Veja a alínea i) do ponto nº1 desta resolução que fixa o seguinte princípio:
“A atribuição, ao Executivo, da responsabilidade pela organização e execução das operações materiais e administrativas do registo eleitoral, sob superintendência e supervisão directa da Comissão Nacional Eleitoral e fiscalização dos Partidos Políticos, bem como das operações logísticas de apoio à Comissão Nacional Eleitoral, sempre que solicitado por esta” ...
Alexandre Neto

 
"O que mais me preocupa não é o barulho dos maus, mas o silêncio dos bons” PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sábado, 20 Agosto 2011 04:22

"O que mais me preocupa não é o barulho dos maus, mas o silêncio dos bons”

Penso que está na hora de os verdadeiros intelectuais, filhos de Angola e o povo em geral, assumirem o seu verdadeiro papel para mudarem o curso dos acontecimentos em Angola. alt
Lembro-me como se fosse hoje que nos nossos tempos de menino (eu e tantos outros meus contemporâneos) atrás de bolas de trapos, só duas coisas sabíamos existirem naquela minúscula realidade geográfica: o catolicismo e o MPLArismo...
Era como que nascêssemos naturalmente catolicizados e geneticamente empelarizados. Éramos como criaturas platónicas que viam apenas sombras projectadas nas paredes do nosso mundo denegado. A realidade na sua essência ontológica era de longe nossa desconhecida…
Foi assim no Chiulo perdido em mil mitos; o Chiulo cujo devir emaranhava-se em tautologias existenciais consequentes. Onde a alegria do amanhã resumia-se no cair abundante da chuva e no mugir matutino da vaca de tetas tesas. Onde existir era simplesmente cantar aleluias de hossanas intermináveis e reviver as aventuras heróicas do menino “Ngangula”…e acreditar, zelosamente, na esperança prometida que ainda hoje ma não chegou!
Graças a tenacidade e visão dos nossos progenitores fomos à escola aprender o ABC, apesar do tempo escasso dividido entre pastos longínquos de sol ardente, ora no “Mboloco”, ora no “Maveli”, e nos mergulhos do “mucope” envergonhado em cujas águas tépidas a nossa infância nadou e bebeu teimosamente. Ali onde o bagre preto era deliciado vivo pelos nossos paladares impacientados em cada madrugada.
O tempo fluiu e confesso que, hoje, somos homens. Somos cidadãos com uma visão própria, capazes de analisar e influenciar a humanidade positivamente. De colocar o seu pedaço de tijolo na construção dest’Angola. Logo, julgo que ser desta ou daquela filiação política não é o mais importante. O fundamental é sermos angolanos comprometidos com a causa da nação; sermos antes cidadãos.
Só depois é que somos do partido A ou B ou ainda nem de A nem de B. Ora, estar em ângulos diferentes é absolutamente normal. Estar no ângulo errado e não puder enxergar a verdade é próprio de quem precisa de ajuda e da lucidez dos lúcidos. Estar no ângulo errado e não “querer” ver a verdade é caturrice. É próprio de quem aposta no fanatismo como prato preferido.
O fanatismo político que aflige maior parte dos angolanos é patológico. Onde há fanatismo há cegueira, há mitologia e isto não concorre para o surgimento da verdadeira ciência política nem da verdade eleitoral e tão pouco da verdade científica.
O fanatismo inviabiliza e retarda o desenvolvimento sustentável e harmonioso deste país. Ser fanático é ter as chaves do “abre-te sésamo”, em mãos, e não querer usá-las em prol do bem comum. É puro “cototismo” e “cambutismo” intelectual. É próprio de mentes míopes e espíritos embotados que precisam ser lascadas quão pedras duras da idade da pedra.
Por isso é que muitos dos “bons” dos quais se deveria esperar, hoje, para dar algo ao país – os ditos intelectuais da nossa terra - privilegiaram prontamente e de forma categórica o “primum vivere”! Venderam de forma ambulante e à saldos a sua própria dignidade em troca do pão ralado no sangue do seu próprio irmão!... Esqueceram-se de pensar com a cabeça, preferindo pensar com a barriga empanturrada. Puseram as suas cabeças e o seu saber em arrendamento.
Quando abrem as bocas são autênticos papagaios que dizem apenas bajulações. Tudo é graças ao chefe-mor! Não tarda até engravidar as suas próprias mulheres será graças ao timoneiro da paz. A cultura de chefe e de bajulação atingiu proporções astronómicas nesse país.
É consabido que ninguém dá o que ele próprio carece. É por isso que o regime do MPLA nunca dará democracia à Angola, nem aos angolanos. O povo angolano continuará pobre se apostar na implantação da democracia em Angola, pois esta não “enche a barriga”! Foi-nos “imposta do ocidente”. O mais importante é resolver os problemas dos poderosos. Quanto ao povo, esse que se lixe, pois ser angolano genuíno significa comungar dos ideais do regime. Significa exibir o cartão de militante do partido situacional e mencionar o CAP ou o Comité de especialidade a que se pertence. É uma segregação social a todo o terreno!
Será que um país normal, onde todos são angolanos, precisaria de usar as cores partidárias como critério de acesso ao emprego, às instituições públicas e às riquezas do país? A descriminação social como o principal trunfo usado pelo regime para compelir tudo e todos a aderir às suas políticas é salutar para o real desenvolvimento do país? Julgo que o país só se desenvolve com factor recursos humanos bem aprimorado. Isto implica educação de qualidade e inclusão de todos os angolanos sem excepção. O país é de todos e não apenas de uma “elite predestinada”que se enriqueceu, ilicitamente, até aos dentes de dia para noite. O país não pode continuar a ser rico e habitado por gente pobre. É uma aberração!
Está na hora de dizer basta à miséria, à fome, à corrupção, à desgovernação, à falta de condições básicas como água, energia, saúde, educação de qualidade, saneamento básico, à falta de habitação condigna... É urgente pugnarmos por um país normal com uma democracia funcional e actuante. Um país que privilegie o homem em todas as suas dimensões com políticas sérias e inclusivas. É necessário um estado ao serviço do homem e não alguns homens ao serviço das riquezas de todos fazendo e desfazendo como de chitaka dos seus avós se tratasse.
Espero que o angolano continue a ser cada vez mais cidadão, dono do seu próprio destino. Que o angolano ganhe a coragem necessária para dizer alto, baaaasta... Basta da delapidação do erário público e de tráfico de influências. Que o angolano não diga mais que a oposição, em Angola, é fraca. Se é fraca é porque ainda não se juntou a ela. Junte-se a ela e faça diferença. Faça bloco. Sê democrático; Construa um país normal e melhor para a sua posteridade.
Viva Angola.
Fernando Kapetango

 
Norberto Garcia considera equivoco chamada de sulanos aos deputados do UNITA PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sábado, 20 Agosto 2011 04:20

Norberto Garcia considera equivoco chamada de sulanos aos deputados do UNITA

O secretário para os assuntos políticos, eleitorais e económicos do MPLA Norberto Garcia, afirmou nesta quinta-feira na Emissora Católica de Angola que foi um equivoco os deputados do seu partido terem tratado os deputados da UNITA por “sulanos”.alt
Segundo Norberto Garcia o que aconteceu foi o acto do Presidente da Bancada Parlamentar do Galo Negro não ter expressado bem a palavra soberano tendo então se entendido por sulano.
Lembro que tudo aconteceu quando a Unita abandonava a AN, quando dizia: (em nome do povo soberano”, tendo os deputados do MPLA, tratado como (em nome do povo sulano). Facto que criou mal estar entre os sulinos e o Partido dos Camaradas.
Na bancada do MPLA, viam de igual forma vozes que diziam - vão embora! Nunca mais vem! O povo que vocês matavam! E muitas outras frases já condenadas pela sociedade angolana.
Angola24horas.com

 
Presidente Angolano tem casa de 14 milhões de euros em Algarve (Portugal) PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sábado, 20 Agosto 2011 04:14

Presidente Angolano tem casa de 14 milhões de euros em Algarve (Portugal)

José Eduardo dos Santos esteve de férias com o filho no Algarvealt.
Catorze milhões de euros. É este o valor da luxuosa moradia que José Eduardo dos Santos adquiriu na Quinta do Lago, no Algarve, onde passou férias nas primeiras semanas do mês de Agosto, escreveu a edição desta sexta-feira do jornal português Correio da Manhã que convida os leitores a lerem a sua versão imprensa.
Sobre o assunto o bloguista Emídio Fernando fez o seguinte comentário num texto no seu blog "Correio Preto" num texto entitulado - "Jornalistas" exilam José Eduardo dos Santos em Portugal ou os mitos que se criam.
Há certa imprensa, em Portugal, que se entretém a alimentar alguns mitos. São recorrentes as estórias das universitárias que se prostituem (sempre sem nomes e sem rostos); ou as "notícias" que envolvem agentes secretos (também sem nomes e sem rostos); ou de investigações que devem resultar em detenções (nunca confirmadas).
É essa mesma imprensa que inventa o mito José Eduardo dos Santos. Não há casa, vivenda, quinta em Portugal que custe mais de um milhão de euros que não seja apontada como compra do Presidente de Angola. José Eduardo dos Santos, de acordo com esse tal "jornalismo", deve ter mais património imobiliário do que aquele que a Remax tem para vender.
O último disparate aparece hoje nas páginas do Correio da Manhã, numa "notícia" carregada de imbecilidades. José Eduardo dos Santos terá comprado uma casa no Algarve, por 14 milhões de euros, e aproveitou para ficar por ali duas semanas. Bem que o "jornalista" tentou confirmar a veracidade da coisa, mas só conseguiu ter "fontes". Mas se tivesse algum trabalho, de poucos segundos, facilmente leria, via internet, que o Presidente angolano esteve em Luanda, até a receber embaixadores e, pelo menos, três chefes de Estado, além de participar na cimeira da SADC que Angola organizou.
O difícil é de perceber o que vai pela cabeça destes "jornalistas" que não conseguem raciocinar: José Eduardo dos Santos tem uma tremenda aversão em viajar, como é público e notório. Cada saida dele é um acontecimento, tal é a logística de segurança que envolve. Mesmo assim, de acordo com os jornalistas portugueses, tem vivendas em Vila Real, Santarém, Cartaxo, Quinta do Lago, Quinta da Marinha (isto pelas minhas contas, por alto) e, como é óbvio, em Luanda, onde deveria viver se esses "jornalistas" não o colocassem em permanência em Portugal. Assim se cria mais um mito.
Correio da Manhã

 
A terceira fraude eleitoral PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sábado, 20 Agosto 2011 04:10

A terceira fraude eleitoral

Qualquer Povo, seja onde fôr, tendo os motivos e poder para tal, tem o direito de manifestar-se e exigir a demitissão do governo em funções, e proporcionar a formação de um outro governo que melhor se enquadra aos seus interesses. Este é o mais valioso – o mais sagrado direito – um DIREITO, que esperamos e acreditamos LIBERTAR o mundo. – Abraham Lincolnalt
Qualquer homem pode facilmente FAZER O MAL,
Mas, não qualquer homem pode FAZER O BEM ao prôximo . – Sócrates.
OS DOIS GENERAIS
Kamalata Numa e Manuel Paulo Mendes de Carvalho Pacavira ‘Pakas’ são duas personagens, posicionados opostos um do outro e ambos preocupados ‘a sua maneira’ em FAZER O BEM, distantes um do outro mas muito próximos e atrevo-me a dizer; muito iguais, partilham do mesmo tabuleiro do xadrez político, um no ‘papel’ de bispo (movimentando-se na diagonal; Previsível) e o outro de ‘cavalo’ (movimentando-se em saltos; imprevisível) ambos têm a missão de proteger o respectivo ‘rei’ e protagonizar ‘movimentos’ que realce a nobreza da ‘jogada’ do tabuleiro (assim devia ser), e no caso concreto de Angola e da democracia real.
Kamalata Numa, Secretário-general da UNITA, encarna o papel de ‘bispo’ da sua equipa, Pakas, é general, militante activo do MPLA, encarna o papel de ‘cavalo’ da equipa oposta, ambos peças importantes e indispensáveis. O primeiro é arrojado sempre na mó de cima, movimenta-se (na diagonal) em toda a dimensão do tabuleiro, atento a todas as movimentações do adversário procurando neutraliza-las (no bom sentido), por vezes arriscando a sua própria liberdade e integridade em nome da equipa e da democracia (do jogo). O segundo, de igual modo general, Arrebatado e sempre fiel aos seus princípios, como todo o ‘bom cavalo’ mantém-se discreto, mas nunca cúmplice da equipa da situação, na qual diz com muito orgulho pertencer mas nunca concordar com as ‘trambiquices’ que são feitas em nome do partido que diz pertencer desde que nasceu “na minha família é proibido roubar”, quantos Angolanos têm a ousadia de publicamente fazer tal declaração? O PR ou os dirigentes do País, deveriam dar o exemplo na emissão por palavras e actos de tal declaração, mais adiante aclarou (num salto tríplice) “eu não invejo os que roubam, odeio-os…”
Se todos que compõem a direcção do País e do partido governante comungassem de tal pujante e patriótica afirmação, Angola estaria certamente na mó de cima na positiva, no contexto das Nações que compõe o planeta. Mas a pobreza extrema, endémica e continua, que putrefacta todo o País e inferniza a vida (vida?! É isto vida?!) do modesto cidadão, indica afirmação oposta; “ eu não invejo os que roubam, incentivo e partilho com eles o produto das suas acções” – assim diz o comportamento criminosamente indiferente e permissivo dos dirigentes de Angola.
… / …
“Custe o que Custar a UNITA não permitirá uma terceira fraude eleitoral”
A expressão acima é atribuída ao Kamalata Numa, e qual pedra atirada ao charco parece ter provocado varias ondas, o que é natural de acordo as leis da física, ‘estranho’ seria se não tivesse provocado reacção nenhuma.
Mas não constitui tal afirmação, preocupação Nacional? Quem não esta a favor de uma VERDADE ELEITORAL? Tal verdade não é um dos pilares da continuidade plural e da estabilidade democrática? O MPLA-Jes deveria ser um dos mais empenhados interessados na prossecução de tal verdade, pois que tal legitimaria a sua permanência no poder e cimentaria a sua reputação política. Não é verdade que tal fraude aconteceu e foi um facto em todos os países em que se afoitaram regimes longevos e ‘monárquicos’ tais como o de Gaddafi, Mubarack, Ben-Ali e Bachir Al-assad (só para citar alguns), Todos eles requintados experts da Fraude eleitoral e em vitórias eleitorais acima da fasquia dos 80%. O MPLA-Jes deveria fazer da ‘verdade eleitoral’ sua bandeira, se teme adoptar medidas que conduzam a esta verdade é porque “tem culpa no cartório” e dá razão a aqueles que afirmam que o MPLA-Jes é ‘useiro e vezeiro’ da fraude eleitoral e que o pleito de 1992 e 2008 só o ganhou fazendo uso desta artimanha besta.
Que académico de craveira internacional perito em actividades eleitorais, disse certa vez que; “Todas as eleições multipartidárias em qualquer País, ganhas por mais de 80% são fraudulentas.” A imprensa oficial muito convenientemente não fez eco de tal afirmação, porque? Ora é muito simples, a carapuça serviu-os.
“Custe o que custar” tal afirmação de modos nenhum, constitui ameaça a estabilidade, nem tão pouco quer dizer o “retorno a guerra”, pois que, o secretário-geral da UNITA o disse e repetiu que tal significa; Continuas e maciças manifestações “Vamos estar lá desarmados!” (já se sabe quem vai aparecer armado até aos dentes, com cães ferozes, de aspecto intimidador e perigoso, com armas pesadas e carros de assalto, para fazer de tais manifestações um teatro de guerra e empolar tal cenário), a UNITA vai bater-se por todos os Angolanos honestos e impolutos, não corruptos e não devedores a corrupção, para que o artigo 107º da Carta Magna de Angola sê aplicado e respeitado á letra, afinal de quem é propriedade tal constituição? (não é estranho que a UNITA surja como defensor da Constituição atípica de JES?) Os tipos fazem as leis, mas só as respeitam quando tal significa malhar no ‘Zé Povito’ e na oposição, quando tocam aos tipos, tratam imediatamente de “dar o dito por não dito” e desvirtuar a interpretação da lei.
Certo guardião do MPLA-Jes, emergiu para declarar publicamente que Kamalata Numa é um dos causadores da Guerra que dilacerou o País por cerca de 30 anos, é tal, sinónimo de RESPONSABILIDADE e maturidade política? Vamos sim fazer uma ‘busca’ a história para ‘encontrarmos’ os responsáveis da guerra? Proponho para tal empreitada, não pessoal afecto ao MPLA-Jes ou a UNITA ou de qualquer um outro partido Angolano, mas sim entidades sérias e credíveis da comunidade internacional… ou porque não promulgar uma comissão nacional da verdade e reconciliação, ao estilo da Africa do sul? aceitam tal repto? Até lá convêm não apontarmos linearmente nomes de indivíduos causadores da guerra, e de indivíduos que fizeram da guerra negócio chorudo e fonte de enriquecimento fácil, a custo de muita dor e indescritível sofrimento do povo Angolano.
Percebe-se porque que tal guardião fez tal declaração, apontando propositadamente o Kamalata Numa, é para indicia-lo como irresponsável, fazedor da guerra e desvalorizar os apelos do mesmo na defesa da verdade eleitoral, para tais indivíduos criticar o PR ou o partido governante, é desejo de retorno a guerra, anunciar uma manifestação com outras cores é considerado insulto a dignidade nacional, toleram única e exclusivamente manifestações realizadas pelo chamado ‘movimento espontâneo’.
O povo Angolano, deveria de facto “custe o que custar” não permitir que nenhum Partido ou cidadão se arrogue ao direito de espezinhar os direitos mais sagrados da Nação, de brincar a bel-prazer com os sentimentos mais sagrados de todo um povo, dando ‘serviço’ permanente ao cangalheiro.
“Posso conduzir a transição no MPLA” – General Pakas, ‘grande entrevista’ jornal ‘O País’ edição 141, 22/07/2011 uma entrevista a todos os títulos interessantíssima (recomendamos a leitura integral).
‘O GENERAL PAKAS em Grande’
A mencionada afirmação tem ou poderia ter o mesmo condão do famoso ‘abracadabra!’ do bruxo ou do mágico célebre ‘abre-te sésamo’, com tal afirmação General Pakas, desmistificou e desvendou o que parece ser ‘segredo dos deuses’ e blasfémico, interpretando o espírito e letra de tal afirmação, o general quer dizer que, qualquer militante do MPLA tendo as necessárias qualificações (e tais qualificações não é atributo de nenhum deus), pode aspirar a presidência do Partido. Que tal aspiração, não é reservada a um grupinho selecto de ‘deuses’ ou algum herdeiro natural de um candidato natural e incontestável. Por outras palavras, o general disse afinal que ninguém é INCONTESTAVEL, e que o MPLA não deveria ser um partido fechado e apático mas sim aberto, plural, multicor e democrático, fora dos muros da ‘incontestabilidade’ e da intolerância.
O general não se coibiu em apontar de forma frontal e incisivo a ‘localização’ do mal no seu partido; ‘na direcção’ e não gaguejou nem tergiversou quando o disse claramente de que “com esta direcção, não é possível mudanças” referindo-se particularmente a luta contra a corrupção.
É o general um Louco?! É alguém que se bandeou para os ‘lados’ da oposição? É o general alguém que quer o retorno da guerra? Não! O general Pakas, mostrou ser um responsável e muito corajoso cidadão e antes de tudo PATRIOTA PREOCUPADO com os destinos do seu povo e do seu País.
“Sob a direcção de um forte general, não haverá jamais soldados fracos” - Sócrates.
“A verdade não está com os homens, mas entre os Homens!” . – (idem)
Nguituka Salomão
Angola24horas.com

 
Presidente de Angola compra mansão de 14 milhões no Algarve PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Administração   
Sexta, 19 Agosto 2011 09:58

Catorze milhões de euros. É este o valor da luxuosa moradia que José Eduardo dos Santos adquiriu na Quinta do Lago, no Algarve, onde passou férias nas primeiras semanas do mês de Agosto.

 

Segundo o que a equipa Angofama sabe, e que é do conhecimento de muitos, o Sr. Presidente se encontrava em Angola devido a cimeira da SADC, na segunda semana do mês de Agosto, o que dá pouca credibilidade à notícia avançada por alguns jornais e revistas em Portugal, nomeadamente o Correiro da Manhã e a Revista Vidas.

 

No entanto, fica a dúvida: será verdade que José Eduardo Dos Santos adquiriu esta luxuosa mansão, pelo valor de 14 milhões de euros, como afirmam alguns jornais e revistas em Portugal? verdade ou não, sabemos que dinheiro para tal não lhe falta.

 

Fonte: Revista Vidas

Actualizado em Sexta, 19 Agosto 2011 16:50
 
Moeda única e Europa «à beira do precipício» PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sexta, 19 Agosto 2011 05:36

Moeda única e Europa «à beira do precipício»


Antigo presidente da Comissão Europeia está pessimista quanto ao futuro do euro e da União Europeia O euro e a União Europeia estão «à beira do precipício». O alerta é dado pelo antigo presidente da Comissão Europeia, Jacques Delors, numa entrevista publicada esta quinta-feira nos jornais «Le Soir» (belga) e «Le Temps» (suíço).alt

«Temos de abrir os olhos: o euro e a Europa estão à beira do precipício. Para que não caiam, a escolha parece-me simples: ou os Estados-membros aceitam a cooperação económica reforçada que sempre defendi, ou transferem mais poderes para a União».
 

 
Mundo High Tech: Confira as novidades de tecnologia PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Notícias
Escrito por Kamba de Almeida   
Sexta, 19 Agosto 2011 05:35

A BBC Brasil apresenta Mundo High Tech, onde você confere alguns dos destaques de tecnologia da semana.

A companhia Google iniciou o processo de aquisição da Motorola Mobility por US$ 12,5 bilhões.
Em uma declaração conjunta, as companhias afirmaram que a compra será um grande avanço para o sistema operacional da Google para smartphones, o Android.alt

A Microsoft anunciou que vai interromper a partir do dia 30 de agosto o suporte ao seu aplicativo para leitura de livros eletrônicos.

Especialistas falaram que a medida é consequência da crescente popularidade dos aplicativos da concorrência, como o Kindle, do site Amazon, e o Nook, da Barnes and Noble.

Confira estas e outras notícias de tecnologia
 

 


Página 136 de 227